Casa da Memória Severino Cabral de Lucena - Araruna-PB /Pensamentos
Home | O que é a Casa da Memória | O Patrono | Museu Fotográfico | Pereira da Silva | Peryllo Doliveira |
Humberto Fonsêca | Objetivos| Araruna| Estatuto| Links| Contatos


Pensamentos na Obra Poética de Pereira da Silva

A glória humana de viver consiste
Em ser feliz, mesmo se sendo triste.
"O divino tríptico"

A existência mesma é uma aventura
Como a de um barco à vela sobre o mar.
"Rítmos íntimos"

É preciso sofrer como é preciso amar.
"Simples reflexão"

A condição da vida inda é mais dura
Para as almas sem chama de ilusão.
"Falando..."

Cuidado. O que parece hoje loucura
Pode ser a verdade de amanhã.
"Falando..."

Saudade, o inverso da esperança,
A cada instante vivo mais aumenta!...
"Saudade"

Nas noitadas interiores a dor humana se depura
E é mais profunda quanto mais obscura.
"Palavras da consciência"

Somente a Dor é quem depura.
''Falando a um poeta"

Quando se vive em Deus intimamente
Não há miséria que se não suporte.
"Diálogo íntimo"

A glória é como o amor: também traiçoeira.
"O eterno ciclo"

Ninguém sabe no mundo o seu destino
E, muito menos, se o não merecia!...
"Soneto de um mendigo"

Os anos passam, mas o amor não passa.
"Aspiração romântica"

Vive com tua dor, que esta jamais ilude!
"Palavras suas..."

A realidade para quem sonha é o sonho.
"Sua imagem..."

O amor não se dissuade de ser feliz,
Por menos que seus êxitos consiga.
"Sua imagem..."

Sempre quem sofre acha quem sofra mais.
"A vertigem do amor"

A beleza é divina. É mais divina
Do que se crê, se pensa ou se imagina...
"A Beleza"

O Amor e a Fome são duas forças de
impulsões fatais.
"Introspecção"

Eu sei que tudo é vão, nada perene.
Pode o Vício amanhã rir da Virtude
E ser burlesco o que já foi solene.
"Confissão"

A Dor tem também suas razões
E quando nasce de um profundo amor
Não há razões como as da nossa Dor.
"Razões da Dor."

Neste mundo só merece louvor quem é fecundo,
Quem nos dá tudo sem pensar em nada.
"A Parábola da Mangueira"

Só há beleza pura no imprevisto.
"Paranese"

Quem sonha é feliz
Seja lá como for!
"Visitação"

Virtude, tanto maior quanto despercebida...
"A absolvição do poeta"

No Futuro o melhor coração será tão duro
Que fará sem sentir o que jamais faremos.
"Predição"

Graças ao poder da Virtude, tudo o que é puro
compensa as decepções de cada dia.
"Epítome"

O homem não pára. Mesmo quando cansa
Não Perde o senso eterno da Esperança
- Senso menos humano que divino.
"Epítome"

Sem a Fé nada haveria de Sublimidade
Neste Mundo da Dúvida e da Dor!
"O Sonho e a Fé"

Nenhum destino humano é diferente
Do que foi no Passado e é no Presente.
"Sermão da Angústia"

Tanto é o poder da Glória que mesmo quando arruina
Não nos deixa a impressão de que triunfara o mal.
"A idade da alma"

Glória - fogo-fátuo da Vaidade,
Chama que produz menos do que consome.
"À margem da vida"

Sonha, pois, se tiveres a desdita imensa
De perder um minuto dessa crença,
Nada no Mundo te fará Feliz!...
"Simples reflexão"

O amor rir dos preceitos.
"A vertigem do amor"

A mulher é mais forte que a virtude
Porque desvaira, ilude e desilude.
"A vertigem do amor"

Ante a fatalidade,
A Glória inda é mais vã, talvez, do que a Vaidade.
"Dedicatória"

O excesso de amargura num ser triste
neutraliza a amargura.
"Dor"

Não há sangue que farte o ódio sedento.
"Simples interrogação"

Não há Amor que satisfaça quando se ama.
"Simples interrogação"

Não há ninguém melhor, pior ou igual num mundo
indiferente ao Bem e ao Mal.
"O último clown"

Se é verdade que a idéia é transitória
E tudo passa, ou muda ou se refaz,
Não há doutrina humana verdadeira.
"O último clown"

Home | O que é a Casa da Memória | O Patrono | Museu Fotográfico | Pereira da Silva | Peryllo Doliveira |
Humberto Fonsêca | Objetivos| Araruna| Estatuto| Links| Contatos